70 anos depois...

0 comments

De Episódios / A Múmia

IV
As minhas ansiedades caem
Por uma escada abaixo.
Os meus desejos balouçam-se.
Em meio de um jardim vertical

Na Múmia a posição é absolutamente exacta.

Música longínqua,
Música excessivamente longínqua,
Para que a vida passe
E colher esqueça aos gestos.

Fernando Pessoa
in “Obra Poética e em Prosa, vol.I”, Lello e Irmão Editores


apontamento

1 comments

Apesar do frio que faz, o meu coração teima em não cristalizar.



Escola de Atenas »» RAFAEL
A Rosa Dart, nossa querida amiga dos Açores, escolheu o célebre quadro de Rafael para celebrar o primeiro aniversário do Marketing Axiológico. Para quem não conhece, o Marketing aborda essencialmente assuntos relacionados com a Filosofia (ou seja, quase tudo) e já nos proporcionou longas e interessantes conversas. Parabéns ao Marketing e Parabéns à Rosa que bem os merece! E que nos façam companhia por muitos e longos anos.
Ps. Já me esquecia, o Marketing vestiu roupa de gala e está muito mais giro. Hehehe...


Espasmos # 2

4 comments

É que na maioria das vezes sou mesmo corredeira volumosa...
Nunca escutas?
Quantas vezes precisarei desembocar em ti para entenderes a violência dos sentimentos gerados pela força das minhas águas?
Suplico ao vento que pare de soprar: estou exausta de tanta arrebentação.



Pinturas de Thom YORKE
Muitas vezes ouço os meus pais falarem dos Beatles ou do Bob Dylan de uma forma que me incomoda. Colocam aquele tom geracional, saudosista, "os bons velhos tempos de juventude" e acrescentam que hoje em dia não se faz boa música e que o tempo das grandes cantigas ficou lá nas décadas de 60 e 70. Se é verdade que ao falarem assim cometem uma grave injustiça, não é menos verdade evidenciarem de forma tão convincente o orgulho que têm na sua geração. Esse orgulho imediato, do soltar as palavras sem a preocupação se o que se diz é verdadeiro ou não, revela-me uma carga de ternura e inocência tão grandes que torna-se-me difícil argumentar em sentido contrário. Fazem-me lembrar crianças de turmas diferentes que no intervalo das aulas discutem pela defesa dos seus professores, cada uma dizendo que o seu é o melhor. Tudo isto para quê, perguntam-me? Talvez porque eu próprio sinta já esse orgulho geracional... talvez eu tenha já estabelecido para mim os ídolos da minha geração e não admita que nenhum dos meus primos de 15 ou 16 anos me diga que os Black Eyed Peas ou que o Eminem têm melhores músicas do que os Radiohead ou de que os Nirvana. A sensação que tenho sempre que sai um novo disco dos Radiohead (os Nirvana infelizmente já lá foram) é de reencontro, como se uma banda de rock fosse capaz de acompanhar o meu crescimento e eu de entender imediatamente a linguagem que usa para comunicar, sem divergências e no mesmo sentido. É que ontem deu-me para ouvir “Hail to the Thief”, o último disco de originais dos Radiohead (já com dois ou três anitos) e só me apetecia contrapor os meus pais dizendo-lhes: “quais Beatles, quais quê… isto é que é música!” Enfim, consequências da cultura Pop…!!!


Poemário #002

1 comments

A Sentença

Num velho livro topei com uma palavra escrita,
Que como um choque me marcou e ilumina toda a minha vida:
E quando me entrego ao prazer embotante,
E à essência prefiro a aparência, a mentira e o falso semblante,
Quando, de ânimo leve, a mim mesmo me engano com pequenos nadas,
Como se fosse clara a escuridão, como se a vida não tivesse mil portas brutalmente fechadas,
E agarro coisas cujo sentido profundo não vivi,
Quando, com mãos aveludadas, o sonho bem-vindo me acaricia
E de trabalhos e dias me alivia,
Alienado do mundo, estranho à minha própria consciência,
Então ergue-se em mim essa palavra: Homem, torna à tua essência!

Ernst Stadler
trad. João Barrento
in “A Alma e o Caos – 100 poemas expressionistas”, Relógio D’Água


Link da semana

1 comments

Esta semana vai para o Bordado de Murmúrios.


Este ano comi a sopa toda...

4 comments


"Roda Viva" »» Chico BUARQUE
Parece que este ano comi a sopa toda e que o Pai Natal ficou contente, até já me trouxe o presente, vejam lá! com um mês de antecedência!... este Pai Natal anda muito meu amigo. E já agora se me dão licença, vou passar o fim-de-semana no bem bom a disfrutar o meu presente. Está frio e sabe bem ficar na mornice ouvindo o tio Chico... bom fim-de-semana e até segunda-feira! Anda que já se faz tarde... hehehe


Missivas

3 comments

Querida V.,

Há quase dois meses enviei-te uma carta. Como não obtive respostas, fiquei sem saber se houve problemas com o serviço postal ou contigo. Espero que seja apenas uma banalidade, querida, um problema de extravio de correspondência.

Ando tendo sonhos estranhos, V., e aí lembro de ti dizendo-me para prestar muita atenção neles. Ah, V., você e suas manias! Posso ouvi-la, com ar muito sério: “somos cercados por sinais”.

Então, preste atenção nesse sinal: já é quase primavera. Não bastasse a profusão de cores e aromas que invadem Paris nessa época, vou levando uma flor muito rara para enfeitar ainda mais essa cidade – a minha Tereza.

Ligarei assim que o avião pousar.

Saudades,
A.


Cunningham em terras lusas

2 comments

Michael CUNNINGHAM »» Bruno CASTANHEIRA (JN)
Michael Cunningham está em Portugal para a apresentação de "Dias Exemplares", o seu mais recente trabalho. A entrevista por Sérgio Almeida no JN.


Ilumina-me com o teu sorriso

2 comments

Ilumina-me com o teu sorriso. Esse teu brilho acompanha-me sempre quando penso que perdi tudo. Não. Venci. Venci o medo e os tremores. Fixei o meu olhar naquela cadeira gigantesca onde distribuías sabedoria pelo teu olhar. Mantinhas-te grande com os teus dois aninhos, firme na escolha da vida e de um sorriso generoso. A tua luz chegava para todas as estranhas que te faziam festinhas, todas disputavam o teu olhar. Eu, ainda que de longe, senti o teu calor, medi a tua força e guardei-te para sempre naquela hora onde havia errado só no escuro. Obrigado pela tua existência contemplar um cruzamento das nossas vidas. O teu sorriso permanecerá em mim.



O Vaticano quer impedir os homens "com vincadas tendências homossexuais" e "os defensores da cultura 'gay'" de acederem ao sacerdócio católico, de acordo com um documento que deverá ser publicado na íntegra durante a próxima semana.
Um excerto do documento, denominado "Instrução" - e que não se aplica aos sacerdotes já ordenados -, foi hoje colocado online pela agência noticiosa católica Adista e a sua autenticidade foi confirmada por várias fontes do Vaticano, que pediram o anonimato.No documento lê-se que os homens "terão de ultrapassar claramente" as suas tendências homossexuais por um período de pelo menos três anos antes de poderem ingressar no caminho do sacerdócio. Ao longo dos três capítulos, com 21 parágrafos, reitera-se que, segundo a visão da Igreja Católica, as tendências homossexuais "são objectivamente perturbadas" e que os actos homossexuais constituem "um pecado grave". Os candidatos a padre "não podem apresentar distúrbios de natureza sexual incompatíveis com o sacerdócio".
Então pergunto: mas para se ser padre não é necessário recusar qualquer tipo de prática sexual, seja ela hetero ou homo??... não consigo perceber a lógica destes documentos do Vaticano. Se os padres são celibatários e consequentemente não podem ter qualquer tipo de relações sexuais porquê pronunciarem-se quanto à orientação sexual dos futuros padres? Como diz a lei da Igreja, são seres humanos assexuados, portanto quer sejam heterossexuais ou homossexuais o assunto é o mesmo. Humm! Esperem lá, a não ser que, com este documento, a Igreja nos queira dizer que na verdade os padres não respeitam o celibato e têm relações sexuais, e que do grupo de padres que têm relações sexuais existem hetero e homossexuais, e que só estes últimos é que estão a ser excluídos da Igreja devido à sua orientação sexual? Será isso? Não sei... expliquem-me como se eu fosse muito burro porque não estou a perceber...


Espasmos # 1

3 comments


Eu sempre me liquefaço em dias de chuva – nunca te disse?
Pois é. Dissolvo-me. Diluo minha matéria bruta para aliviar meu peso, meus passos, pois sendo líquido posso vazar pelos poros transformando-me em corredeira ou simplesmente evaporar sem deixar vestígios.


Na distância de um oceano

3 comments

As estações de comboios evocam-me sempre algum romantismo.
Foi lá que te vi pela última vez. Tinhas de apanhar o avião em Lisboa.
Era chegada a hora de nos despedirmos. Ainda estavas à minha frente e eu já sentia tantas saudades tuas. O meu coração estava apertado. Não sabia quando podia voltar a ver-te. No nosso beijo apertado, no nosso abraço forte, tentei não chorar. Olhamo-nos nos olhos, sussurramos ao ouvido um do outro, “Amo-te…”, e eu vi-te partir, de malas nas mãos, entrar no comboio que te levava de mim, para longe de mim… Atravessei a linha, pelo túnel subterrâneo, e estaquei do outro lado, fiquei a olhar o comboio, que começava a ganhar velocidade… Ia jurar que te conseguia distinguir no meio daquela confusão de pessoas e malas, naquele comboio a abarrotar de gente…
Já lá vão uns bons meses desde esse dia…
Todos os dias, na minha viagem de metro a caminho de casa, passo por essa mesma estação, estação de Campanhã, o metro pára e abre as portas para aqueles que quiserem entrar ou sair. E todos os dias, a nossa despedida, passa diante dos meus olhos, do meu coração. Sinto o abraço apertado, o último beijo… Uns dias, as lágrimas vêm-me aos olhos… Outros dias, fico de olhar longínquo, peito apertado…
Esperando o dia do reencontro, da vitória do amor…
Sem saber se esse dia vai realmente chegar… Ou se ficou perdido no tempo… No tempo dos meus sonhos… Na distância de um oceano…



No sábado passado assisti ao célebre documentário de Luc Jacquet... relembrou-me que histórias de amor e de ternura ainda são possíveis... a não ser mais, no frio hostil da Antártida.


Da Blogosfera

1 comments

O Alexandre lançou hoje este Boato... e eu digo que neste acredito... sou um optimista!
"lei da física: As ruas de Lisboa encolhem sempre que chove. Os optimistas diriam que ficamos mais perto de quem perseguimos."


Perdidos deambulamos por aí

2 comments

Perdidos deambulamos por aí. Por vezes desligamo-nos de tudo o que nos rodeia. Quase deixamos de ser nós, apenas deambulamos, perdidos no tempo, no espaço, quase perdidos do nosso próprio pensamento.
Nestes momentos cheios de tudo e nada, questiono-me, será que valem a pena tantas angústias, tantas preocupações, tantos conflitos, tanto desespero? Desgastamo-nos tanto, ferimo-nos tanto, por vezes com coisas tão simples, tão sem razão… A vida por ela já é tão desgastante, cada vez mais desgastante… Que quase não temos tempo para nós, para fazermos o que gostamos, para reflectirmos, para estarmos mais tempo com quem amamos… Para pararmos um pouco e vermos o quanto o tempo é precioso.Nas minhas viagens diárias, em que utilizo o metro para chegar ao destino, como a viagem ainda é longa, costumo parar no tempo e no espaço e deambular por aí… Encosto-me ao vidro, e abandono-me aos meus pensamentos, às minhas reflexões, preocupações, momentos cheios de tudo e nada, e naquele banco só lá fica o meu corpo, as pessoas não me parecem reais, tudo parece um cenário, pessoas de olhar vazio, movimentos automáticos, pensamentos no tudo e no nada… Eu estou ali e não estou… Abandonada em mim, a mim, aos meus mundos de sonho, esperança, desânimo…


coincidências felizes...

4 comments

Ao olhar as estatísticas do blogue no site eXTReMe Tracking reparei que as 16 palavras-chave mais utilizadas nos motores de pesquisa para aceder ao Povo escreviam por ordem decrescente o seguinte:
"povo bom que cristo mar...
frases no horizonte, tipo nascimento,
ter poemas para giorgione com natal..."
a pontuação foi só para ajudar... mas é bonito, não é?


Isto é um fato!

4 comments

Eu nunca gostei de cálculo, mas também jamais fui capaz de tal piada. Sou do tempo em que os professores eram temidos e respeitados, principalmente os de matemática! E apesar de cômico (ou trágico), é a mais pura verdade.














Prova de um aluno muito aplicado, como bem se nota.


a BlogoNovela dos últimos dias

10 comments

Parece que a BlogoNovela deu o que tinha a dar e chegou ao fim... ainda bem, o argumento era tão mau que os episódios estavam a tornar-se extremamente difíceis de consumir. Já tínhamos postado contos, poemas, extractos de romances mas novelas nunca, foi a primeira vez e creio que não será experiência para repetir... não reunimos nenhum argumentista de momento. Não sei se toda esta história terá alguma moral por ser tão ridícula na sua génese... para mim retiro que confiei demasiado cedo e fui atencioso demais com alguém que realmente não merecia. Deixo ao critério de cada um qualquer interpretação possível do caso, o bom senso leva-me a terminar o assunto por aqui e a consciência também não me pesa.
Aos companheiros do Povo lanço a seguinte pergunta, continuamos com este blogue ou terminamos viagem por aqui? Por mim aceito qualquer decisão, até porque "os fins" nunca me assustaram... acredito na possibilidade da regeneração. Aguardo notícias vossas até nova postagem. Um abraço a todos.


O Povo faz 1 ANO!


Pois é, o tempo passa rápido… já lá vai um ano!!! E para festejar nada melhor do que publicar o Livro de Ponto, relembrando todos os nomes que passaram pelo Povo é Bom Tipo, desde os nossos companheiros de aventura que por motivos pessoais decidiram interromper as suas participações no blogue, aos autores comentados, citados e partilhados que durante este ano encheram as páginas desta casa. Muito obrigado a todos pela paciência das leituras e persistência das visitas, aos membros dos blogues linkados na coluna da direita que boa companhia nos fizeram durante este ano, especialmente à Rosa Dart (Marketing Axiológico), ao Luís (Rotação dos Tempos), à Fátima Rosado (Bordado de Murmúrios), ao Vasco (O Santuário do Poeta), ao NR (Is It any wonder?), à Catarina (Monólogos a 2), à Ana (Os Cavaleiros Camponeses), ao Simões (Palavras de Engenheiro), à Amélia (ao longe os barcos de flores), a todas as meninas do Hormoniosas e ao pessoal do Incomunidade. Mais uma vez obrigado!

LIVRO DE PONTO - ANO I

A POPULAÇÃO
alex ALEXANDRA
alves PEDRO
anuXca
cláudia NEVES
luciana MELO
sónia VIEIRA
v. LEAL BARROS

ANTIGOS MEMBROS
Cecil
Maceda Pereira

ARQUITECTURA
COLECTIVO LEMTO
JOÃO PAULO PROVIDÊNCIA & ROSÁRIO ABREU
LUÍS BARRAGAN
REM KOOLHAAS

ARTES PLÁSTICAS
CLAUDE MONET
DOUGLAS GORDON
FRIDA KHALO
GUSTAV KLIMT
MAX ERNST
PAUL CÉZANNE
RENÉ BERTHOLO
SUSAN HILLER

CINEMA
CHRISTOPHE BARRATIER
CLINT EASTWOOD
DAVID LYNCH
JACQUES RIVETTE (1) (2)
JONATHAN GLAZER
MARCO MARTINS
MIKE LEIGH
MIKE NICHOLS
REBECCA MILLER

FILOSOFIA
DEEPAK CHOPRA
ROLAND BARTHES

FOTOGRAFIA
AARON SISKIND
ALEXANDRE DELGADO O’NEILL
DOROTHEA LANGE
FAZAL SHEIKH
FERREIRA DA CUNHA
HANNAH STARKEY (1) (2)
JOEL-PETER WITKIN
JOSEF KOUDELKA
JUAN JOSÉ MOLINA
MAN RAY
NAN GOLDIN (1) (2)
PHILIP-LORCA DICORCIA
RONI HORN
VARI CARAMÉS

LITERATURA
ANA PAULA TAVARES
ANAÏS NIN
ANTERO DE QUENTAL
ANTÓNIO CALLADO
ANTÓNIO FRANCO ALEXANDRE
ANTÓNIO GEDEÃO
ANTÓNIO VIEIRA, PADRE
BORIS VIAN
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (1) (2)
CLARICE LISPECTOR (1) (2)
CONCEIÇÃO LIMA
CRISÓDIO T. ARAÚJO
CRISTINA CAMPO (1) (2)
E. E. CUMMINGS
EDUARDO WHITE
EUGÉNIO DE ANDRADE
FERNANDO PESSOA (1) (2) (3)
- ÁLVARO DE CAMPOS
- BERNARDO SOARES (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)
FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO (1) (2)
FRIEDRICH HÖLDERLIN
HERBERTO HELDER
HERMAN HESSE
HORÁCIO FERRER
INÊS PEDROSA
JEAN-ARTHUR RIMBAUD
JORGE LAUTEN
JOSÉ LUÍS TAVARES
JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA (1) (2)
KONSTANDINOS KAVAFIS
LEONARDO FRÓES
LUÍS MIGUEL NAVA (1) (2)
LUIZA NETO JORGE
MARIA ODETE SEMEDO
MÁRIO CESARINY
MÁRIO DE SÁ CARNEIRO
MICHAEL CUNNINGHAM
NATÁLIA CORREIA
NUNO HIGINO
NUNO JÚDICE
OSMAN LINS
PHILIP LEVINE
PRIMO LEVI
SHRI AUROBINDO
SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN
SYLVIA PLATH
TEIXEIRA DE PASCOAES
TONINO GUERRA
VINICIUS DE MORAES
VIRGINIA WOOLF (1) (2) (3)
WALT WHITMAN
W. H. AUDEN (1) (2)

MÚSICA
ADRIANA CALCANHOTTO
ALDINA DUARTE
ANTÓNIO VARIAÇÕES
ANTONY & THE JOHNSONS
ASTOR PIAZZOLLA
BJÖRK
BRAHMS
COCOROSIE
IRON & WINE
JACK JOHNSON
KINGS OF CONVENIENCE
LHASA DE SELA
MAHLER
MARIA JOÃO E MÁRIO LAGINHA
MARIA RITA
MOBY
PORTISHEAD
RADIOHEAD
ROGER WATERS
RÖYKSOPP
WIM MERTENS (1) (2)

O LIVRO DE PONTO constitui um índice remissivo dos posts referentes a autores e personalidades publicados n'O POVO É BOM TIPO.


Feio é FUMAR

4 comments

"Feio é fumar. Tu não comeces."
Cartazes da campanha promovida pela Central Models
para a Fundação Portuguesa de Cardiologia.

Pois é, para quem não me vê há mais de um mês este post pode parecer um pouco estranho ou no mínimo duvidoso. Mas é com o peito inchado e a transbordar de orgulho que hoje, Dia do Não-Fumador, afirmo não pegar num cigarro há exactamente um mês, depois de dez anos de dependência estúpida consumindo um maço de tabaco por dia. Está a ser difícil, é verdade, mas não é nada que não se aguente… por isso, para os que fumam, cá vai uma forcinha… se eu fui capaz, vocês também vão conseguir !
A propósito, acho esta campanha extraordinária…FEIO é FUMAR!


Fazes-me falta

3 comments

O dia está cinzento. O desânimo está espelhado na cara das pessoas que me rodeiam. Eu própria o sinto. Entranhado na minha pele. Há dias em que o sonho não tem força. Há pessoas que já nem sabem o que é o sonho. Às vezes é tudo tão difícil. É tudo tão complicado. Tudo no mundo é complicado. E porque há formas de agir correctas, e porque devemos encarar as coisas de determinada forma, e porque é suposto reagirmos de uma determinada maneira, e porque para interagirmos com os outros temos um sem número de regras para cumprir.
Por vezes torna-se tudo tão doloroso. A saudade, a ausência, o desespero, a falta de calor, de aconchego. Falta-me parte de mim. E às vezes dói-me tanto que quero morrer.
Preciso ver-te, tocar-te, cheirar-te, abraçar-te, beijar-te nem que seja por uma noite, nem que seja por uma hora. Há momentos em que um ódio pelo mundo cresce dentro de mim, porque é que o Universo nos faz isto? Cresce-me uma raiva, em que me apetece destruir tudo. Não é justo, não é justo! Lágrimas de raiva e de dor escorrem-me pela cara… A vida por vezes é muito cruel… Fazes-me falta.


O que vamos escolher?

1 comments

Sexta-feira passada, li uma notícia que tomou meus pensamentos pelo resto do dia. Tratava-se de uma matéria sobre uma criança indiana que havia nascido com uma anomalia – seu coração desenvolveu-se fora do corpo. Na hora de ser trazida à luz, ela segurava seu pequenino coração nas mãos.

Não será isso um recado à humanidade? Eu acredito em sinais.

Sim, os cartesianos me dirão que isso pode ser explicado por muitas vertentes e ter inúmeras causas: fome, desnutrição, falta de políticas públicas voltadas às parturientes, desinformação, má formação genética, omissão da mãe em não fazer um pré-natal, omissão do governo por não oferecer estrutura hospitalar que dê o direito à mãe em fazer pré-natal.

Muitas análises objetivas e científicas surgirão para explicar-me o motivo dessa criança ter desenvolvido o órgão externo ao seu corpo. Eu não desacredito de nenhuma delas. Mas levando-se em consideração o avanço que a ciência alcançou nas últimas décadas, toda a inovação tecnológica e o arsenal químico produzido para tratar doenças, chega a ser uma ironia que a fome, a desnutrição, o desvelo dos governos ainda produzam frutos tão daninhos.

Eu prefiro acreditar que essa criança lançou um grito desesperado para a humanidade: temos a vida toda em nossas mãos!
O que vamos escolher?


O Povo é Bom Tipo #023

1 comments

"Dream" »» v. LEAL BARROS
Em dias de chuva, quando o vento é forte ao ponto de vergar qualquer guarda-chuva, gosto de vestir o impermeável e sair à rua de máquina fotográfica na mão. É um acto solitário e introspectivo. Normalmente procuro o mar; a violência das ondas e o timbre agudo do vento amplificam-se nos ouvidos e permitem-me tranquilidade. Não sou de explosões, tenho dificuldade em explodir, e são esses dias agitados que me refazem. Incapaz de uma auto-implosão, peço emprestada a violência às tempestades. Só assim se cumpre o processo, de fora para dentro, dos olhos ao coração, nunca o equilíbrio chega no sentido contrário.
Desses dias trago horas fundamentais e pedaços de película fotossensível que me documentam a memória, para não esquecer ou para forçar a lembrança de um ciclo que se cumpriu. Por vezes esses documentos são incompletos ou traduzem uma realidade falsa, uma tempestade que não existiu, e por isso doem… outras vezes são “sonhos”, são visões que profetizam a alma. Há nessas atmosferas dúbias uma possibilidade de esperança, algo que indica que a verdade é por ali. A tudo isto já apelidaram "excesso de romantismo", pelo mesmo puseram-me o selo de "romântico demodé", ao que respondi orgulhosamente, se for obrigado a postular é por aí que eu sou.
Para a Fátima Rosado


Da Blogosfera

2 comments

O Marketing Axiológico anuncia o Dia Mundial da Filosofia (17 de Novembro) e as actividades preparadas pela Universidade dos Açores para sua celebração. Para quem estiver perto o programa vale mesmo a pena.
Não deixem de visitar também o blogue mais generoso do mundo. Um beijo Fátima.


Poemário #001

2 comments

Cisão
Gostava de saber até que ponto a ideia de céu e a de unidade andam ligadas. Só assim poderia avaliar que peso tem o facto de eu sentir que o céu se encontra dividido e uma das partes se alojou transversalmente no meu corpo. Tal é às vezes o seu peso, que me vejo constrangido a andar dobrado.
Luís Miguel Nava
in "Poesia Completa 79-94", Dom Quixote



bonjour Monsieur (Madames et Mesieurs),

je suis française et je suis venue faire un tour au Portugal pour rejoindre votre groupe autour de "o povo e bom tipo".
vous ne me voyez pas et pourtant je suis là!!
entre les lignes. trés de l'autre côté des mots, là où leur sens prennent nature, quelque part dans ma sensibilité qui est la votre. au rythme des apostrophes et des points qu'on croit "final".
je suis là, dans l'énergie des photographies, au coeur des couleurs et des espaces.
et, tellement présente à travers cet univers, je ne peux douter que vous aussi, vous ne ressentez pas en retour ma présence...
saurez vous deviner qui je suis???

P.S : je confirme l'étude au sujet des hommes architectes.
em português: muito, muito obrigado Sophie pelo teu e-mail... (je sais que tu comprends ça)


Alguém tinha dúvidas?

5 comments



tão pouquinho :((

1 comments



My blog is worth $18,065.28.
How much is your blog worth?


Estreia e corta! 2006

2 comments

Olá Povo! Peço-vos mil perdões por só agora iniciar actividade aqui, neste praseiroso espaço, mas não foi possível antecipar esta estreia...
Para compensar, de alguma forma a ausência declarada, aqui estou a solicitar a este povo que nos visita e que goste de fazer uns filmes, a participação de videoartistas, que dominem o programa imovie da mac, no projecto a vida é curta, a decorrer no Festival de curtas metragens do Porto, Corta! 2006, no mês de maio.
A selecção dos candidatos irá decorrer no mês de Dezembro, por isso se solicita o envio de curriculum e registo para posterior entrevista durante o corrente mês de Novembro.
Participem!
Sónia Vieira
contacto: soniavieira@corta.com.pt
site do festival: http://www.corta.com.pt/


O Povo é Bom Tipo #022

3 comments

"Right Here" »» v. LEAL BARROS


Isto é que é o céu

3 comments

Do que não se sabe não se fala, e não há muito que eu possa dizer por ser pouco o que verdadeiramente sei. De uma coisa tenho certeza, céu e inferno existem aqui e agora ao nosso lado, alternando aleatoriamente consoante a sorte do jogador. Nem um, nem outro são metáforas além-morte, são ambos espaços reais construídos em cada dia que vivemos. Para lá do sopro do anjo negro não me atrevo a adivinhar, é coisa que eu não sei portanto não falo. Para cá do sopro do anjo negro há mais céu do que inferno, disso tenho certeza, caso contrário quereríamos todos morrer. Isto, a vida, é que é o céu, não tenho dúvidas.



Informa-se e pede-se desculpa à população pela ausência nos últimos tempos, mas parece que desta vai de vez. O template foi novamente modificado porque existiam problemas de visualização com os browsers Mozilla e Safari... a ver se desta fica tudo direitinho.
Como o Alexandre tinha sugerido, de hoje em diante cada um posta com o seu próprio user e password, anulando-se, portanto, o username colectivo. Os convites já foram lançados através da blogger e só resta que cada um de vós aceite e configure os seus dados como preferir.
Ao nível da formatação de cada post, não será necessário alterar nem a fonte, nem o tamanho. Deixa-se portanto de usar a font Arial, tamanho grande, e passa-se a usar a letra que a blogger assume por defeito. É a formatação que funciona melhor neste template.
Espero que não surjam mais problemas com o blogue e que em relação à parte técnica (postagem, comentários, nomes, etc etc...) esteja tudo a funcionar correctamente. A ver se desta a coisa arranca, by the way, estamos quase a festejar 1 ano...
Até breve e se houver dúvidas já sabem... escrevam...


A Infinita Prateleira das Metáforas #030

4 comments

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não
esqueço que a minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e tornar-se autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um "não".
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

Fernando Pessoa

(este texto foi-me enviado por e-mail por uma pessoa muito especial) v. LEAL BARROS


O Blog

  • O POVO É BOM TIPO PRETENDE SER UM LOCAL DE PARTILHA ONDE LIVREMENTE SE TROCAM GOSTOS, AFINIDADES E INSTANTES DE VIDA. NÃO MAIS DO QUE ISSO.

A População

Séries

Últimos Posts

Livro de Ponto

Arquivo

Periferia

Outras Cidades

Cidades Desabitadas

Outros Povos

Manutenção

  • + Blogger
  • + BlogRating
  • + Blogwise
  • + eXTReMe Tracker
  • + A Música do Povo
  • + Os Links do Povo
  • + Protegido por CreativeCommons