Poemário #012

8 comments

Adormeci
na verde margem
à sombra da ponte
com o meu amigo

Ao despertar
nem sombra nem rio eram
os mesmos
nem eu nem meu amigo
os mesmos
nem verde a inundada
margem

Luiza Neto Jorge
In “poesia”, Assírio & Alvim


Link da semana

7 comments

Esta semana vai para o Odespropósito.



Queime tudo o que puder :
as cartas de amor
as contas telefônicas
o rol de roupas sujas
as escrituras e certidões
as inconfidências dos confrades ressentidos
a confissão interrompida
o poema erótico que ratifica a impotência
e anuncia a arteriosclerose

os recortes antigos e as fotografias amareladas.
Não deixe aos herdeiros esfaimados
nenhuma herança de papel.

Seja como os lobos: more num covil
e só mostre à canalha das ruas os seus dentes afiados.
Viva e morra fechado como um caracol.
Diga sempre não à escória eletrônica.

Destrua os poemas inacabados,os rascunhos,
as variantes e os fragmentos
que provocam o orgasmo tardio dos filólogos e escoliastas.
Não deixe aos catadores do lixo literário nenhuma migalha.
Não confie a ninguém o seu segredo.
A verdade não pode ser dita

“A Queimada”, Ledo Ivo.


Faria 123 anos hoje

1 comments

"Observei com uma clareza desiludida a falta de identidade da rua; as suas varandas e cortinas; as roupas castanhas, a cupidez e a complacência das mulheres que trabalhavam nas lojas; os velhos passeando com as suas roupas de lã; a forma cautelosa como as pessoas atravessavam a rua; a determinação universal de se continuar a viver quando a verdade é que, seus idiotas, uma qualquer telha vos podia cair em cima e este ou aquele carro galgar o passeio, pois não existe qualquer espécie de lógica ou razão quando um homem embriagado caminha pela rua com um varapau na mão.

As Ondas, Virginia Woolf


Pelas mãos da circunstância

3 comments

"Portrait of woman" »» Pablo PICASSO
O meu marido deixou-me, trocou-me há doze anos por uma solteirona de peito avantajado. Os meus filhos emigraram, partiram à procura de uma vida melhor. Vivo sozinha, com a minha máquina de costura. Companheira de longos anos, nunca me enganou. Por isso é com ela que faço amor, um amor de linhas e cores por onde me perco e agonizo. E é engraçado como me sinto um pedaço de tecido mutilado pela vida, como sangro a cada fio de linha que me penetra à força, como não passo de uma história bordada pelas mãos da circunstância.
O meu bisavô era rico, mas o meu avô quis casar com a minha avó e ele deserdou-o. Tenho primos juízes mas sou filha de carvoeiros. Sou pobre, mas muito limpa. Não ouço bem, tenho aparelho. Vivo com medo que caia. Vivo sempre com medo. Medo, medo, medo… À noite choro. É como rezar. As dores escorregam pelo rosto cansado até se perderem por entre os poros gastos das minhas rugas, até se perderem… Daqui a dez anos faço setenta anos, daqui a dez anos já posso morrer. Morro sem conhecer a felicidade como a minha mãe. Como a minha mãe que era carvoeira mas muito limpa. Às vezes jogo na lotaria, mas a sorte nunca sai. E eu espero, espero e torno a esperar até já não saber bem pelo quê. Até já não saber se a minha máquina de costura me sorri ou me suborna.
O meu marido deixou-me, trocou-me por uma solteirona de peito avantajado. Os meus filhos emigraram, vivo com uma máquina de costura, a quem pago o aluguer da casa e da vida. Na realidade sou sua escrava, dependo do óleo dos seus pedais, da força das minhas pernas que me fazem andar, andar, andar… Dependo das mãos da circunstância e é engraçado como me sinto um pedaço de tecido mutilado pela vida, como sangro a cada fio de linha que me penetra à força. E é engraçado como sofro em silêncio, como ninguém vê ou pressente a dor de ser existida. É engraçado.
Ah ahah ahahah ah ahah ahahah ahah. Ah ahah ahahah ah ahah ahahah ahah ah ahahah.
Agripina Roxo
ps. obrigado Agripina pela partilha.




"Mysteries" »» Beth GIBBONS


the poorest country in western europe

0 comments

Via Insónia tive conhecimento de que os americanos falam de nós assim.


Da Blogosfera

1 comments

O Segundo Andamento e o Bomba Inteligente foram acrescentados ao linkódromo do Povo.


Poemário #010

0 comments

no tempo há a nobre clemência da proporção
Com generosidades para lá do acreditar
(embora carne e sangue o acusem de coacção
ou mente e alma o condenem por decepcionar)

os seus caminhos não são racionais nem irracionais,
a sua sabedoria anula conflito e entendimento
- os saaras têm os seus séculos; dez mil
dos quais são mais pequenos do que a rosa para um momento

há tempo para rir e há tempo para chorar –
para a esperança para o desespero para a paz para a saudade
- um tempo para crescer e um tempo para morrer:
uma noite para o silêncio e um dia para cantar

mais do que tudo (como os teus mais do que olhos
me dizem) há um tempo para a eternidade

E. E. Cummings
In “livrodepoemas”, Assírio & Alvim
Trad. Cecília Rego Pinheiro


Link da semana

1 comments

Esta semana vai para o asa de papel com chá.


FRASES PARA CRESCER

2 comments


Dois amantes felizes não têm fim nem morte, nascem e morrem tanta vez enquanto vivem, são eternos como é a natureza.

Deste chileno, como também é seu timbre, uma suave descrição do maior motor do mundo, o amor.





Pablo Neruda


1 comments

imagem retirada daqui
Já agora, o Renas e Veados foi adicionado ao linkódromo do Povo.


Keep your distance

0 comments


"Keep your distance" »» Nadav Kander
Os temas explorados na fotografia pelo israelita Nadav Kander parecem não ter fim. O artista/fotógrafo cobre um espectro tão vasto da actividade fotográfica (desde a moda e espectáculo, passando pela publicidade, até ao trabalho artístico mais introspectivo, no qual combina a fotografia com outras formas de expressão plástica), que muitas vezes torna-se difícil encontrar um fio condutor capaz de unir imagens cujas géneses são, à partida, completamente distintas. Apesar da amplitude e versatilidade do trabalho de Kander, há uma característica transversal a toda a sua obra que me delicia particularmente – a procura de uma beleza “crua”, se assim lhe posso chamar, austera, desadornada, muitas vezes violenta e cruel, mas sempre bela, proporcionada e irreversivelmente real. Quando olhamos as suas imagens, a primeira sensação é quase sempre de desconforto, apesar das composições extremamente cuidadas e equilibradas, de contornos quase clássicos. Talvez o impacto violento do primeiro olhar seja produto da forma como Kander trabalha a luz e a cor. O fotógrafo não hesita em flashar violentamente os seus modelos roubando-lhes a pigmentação da pele, e, como se isso não fosse suficiente para gelar o observador, prostra-os ainda contra muros brancos ou azuis, intensamente luminosos, de texturas toscas e ásperas. Todo o trabalho de retrato, assim como a série de nu feminino realizada em 1998 com prostitutas da América latina, revelam essa necessidade de choque inicial, obrigando o observador a um processo de recuo perante a imagem e a uma reinterpretação posterior, imparcial ao choque do primeiro olhar. Kander primeiro provoca e só liberta a alma das suas “presas”, dos sujeitos fotografados, após uma decisão consciente e deliberada dos observadores, quando estes decidem continuar a descobrir o que está para lá de todo o quadro glacial. Andy Brumer sugere isso mesmo no texto de apresentação da exposição do fotógrafo na Fahey/Klein Gallery em Maio de 2001 e explica-o desta forma, for example, his pictures of seductively naked young Latina women, suggestive of prostitutes in what looks like downtrodden hotel rooms. seem at first straightforward enough. However, after viewing them for some time, the strength of these women's characters and the purity of their souls leap off of each print, turning their staged seductive stares into liminal indictments all their own. A mais recente reunião de trabalhos do artista/fotógrafo, “Keep your distance” parece dar continuidade ao processo. Nesta série, Kander reúne um conjunto de imagens de paisagem, quase sempre ambientes urbanos (ou suburbanos), espaços transitórios e de passagem como supermercados, bombas de abastecimento, estradas, viadutos, etc… os chamados “não-lugares” segundo o sociólogo Marc Augé. Ao olharmos estas imagens sentimos a mesma estranheza de quando nos mostram pela primeira vez fotografias da superfície da Lua ou de Marte, tiradas por uma qualquer sonda da NASA. São territórios estéreis, desertos, sem vida… lugares perdidos, onde a presença humana pode tornar-se um elemento perturbador, onde o corpo pode mesmo tornar-se num objecto tão estranho, capaz de remeter o observador para um mundo virtual, quase surreal, como se de um videojogo se tratasse. Uma das imagens publicadas no blogue mostra um homem encostado a um poste de electricidade imerso no nevoeiro do nascer do dia. Para mim, a figura humana é tão desconcertante nessa fotografia, tão irreal. Esse homem não pertence a esse lugar, nenhum homem pertence a esse lugar, a simples presença humana desequilibra toda a imagem, torna-a falsa, incredível. “Keep your distance” não parece ser um título escolhido ao acaso, ele funciona como um aviso, um sinal de alerta ao observador, prevenindo-o e relembrando-lhe que a sua presença nesses espaços é tão estranha como caminhar num dos desfiladeiros de Marte. A reflexão de Kander sobre a forma como vamos construindo o território provoca-nos, afasta-nos, cria-nos o pânico do primeiro instante, tal como as imagens das prostitutas latino-americanas. Ao olharmos estas fotografias não deixamos de sentir uma poética qualquer, mesmo que áspera e aguda. As paisagens retratadas são fortes e independentes, possuem na sua essência uma poética que as alimenta… muitas delas, pode-se mesmo dizer, são belas, extraordinariamente belas, mas definitivamente não incluem “a vida” dentro delas. Para estas paisagens urbanas, a presença de vida, é tão e simplesmente, o início do seu ciclo de morte. Os lugares, ou “não-lugares”, fotografados por Kander parecem não incluir a vida dentro deles. Um corpo imerso na manhã de nevoeiro não é mais do que um ruído na imagem, um traço agressivo sobre o negativo. Estas fotografias parecem confirmar-nos de que sabemos construir a beleza, mas que o belo, é, muitas vezes, inabitável. Não deixam de ser, no entanto, um contributo pertinente para a forma como usamos, construímos e interpretamos o espaço.

sítio do artista aqui


FRASES PARA CRESCER

3 comments


"O dificil esta feito e o impossivel só leva mais tempo"

Salgueiro Maia.

Os homens grandes são aqueles que constroem, unem. O Salgueiro Maia é um verdadeiro heroi que soube "obrar" sem querer retirar das suas acções qualquer poder ou protagonismo, apenas restabelecer alguma liberdade.

Esta frase ilustra o quanto podemos chegar onde nunca nos atrevemos a sonhar, porque o sonho pode ser apenas uma etapa de uma realidade ainda mais bela e perfeita.


Poemário #009

4 comments

Corto viaggio sentimentale, capriccio italiano (27)

venho dormir junto de ti
e o meu corpo é uma coisa diferente
do que se vê ou toca ou sente;
é, fora de mim, essa coluna de ar onde respiro,
olhos que beijam o teu corpo exacto,
as muitas mãos que dobram o teu rosto.
Um deus que dorme, um deus que dança, e mais
que um mero deus, o breve amor do tempo.

António Franco Alexandre
In “Quatro Caprichos”, Assírio & Alvim


Link da semana

1 comments

Esta semana vai para o Insónia.


Metamorfoses da Alma

5 comments

Fechei os olhos e iniciei a minha viagem, relaxei o corpo, vi a luz, o poço, a entrada para a floresta, a humidade, as árvores, o unicórnio, a cascata, a clareira, a música, o lugar para me sentar…


SORRIR.COM

3 comments


Os hospitais são por regra locais onde reina a onda do “coitado de mim” e onde cruzamos olhares tristes e ansiosos. Ora mesmo em situações em que o vírus da “coitadeza” se poderia apoderar de nós, por vezes surge-nos o sorriso daquela senhora desconhecida que não vai nessas correntes. Aconteceu-me.

Estive nesses locais temidos e apareceu-me a tal senhora, não como em Fátima mas uma senhora dita comum, que soltou o antídoto para esse malvado vírus e acalmei.

Peguei naquelas revistas sem interesse nenhum mas que sempre são um alívio para o tempo quando ele está nervoso.
No meio das inutilidades brilhou a sorrir.com, uma associação sem fins lucrativos que promove o SORRISO através de diversas actividades. A sorrir está sedeada em Belém, perto dos pasteis e fica aqui a sugestão.
Esperamos que se espalhe e que chegue rapidamente ao Porto, pois também nós queremos muito sorrir.


as coisas que se descobrem!

1 comments

Hoje deu-me para vasculhar na Technorati. Adivinham o meu espanto quando leio o que um amigo da Galiza escreveu a propósito do nosso blogue em Junho de 2005:
o povo é bom tipo?
a net si proporciona un intercambio de valor incalculable que fai dela un medio indispensable e enriquecedor.
Folleando as páxinas dos amigos e amigas que un vai facendo, segundo pasea cal electrón no seu fluído elemento, atopei un título que me pareceu, cando menos, fermoso. '
o povo é bom tipo' é proclive ao intercambio.
pero ben, eu non sempre crin, e aínda agora cústame crelo, que o pobo sexa bo tipo. Se cadra nun sentido máis de contrato social, no que todos somos bos ate que a sociedade nos corrompe, sendo o medo á individualización, que dicía Erich Fromm, o que nos fai caer na perversidade e na alienación. O que si vén sendo certo é o desexo de crer no pobo como unidade e as aspiracións cara unha meta en común.
fronte ás apocalípticas delcaracións daquel biólogo, coido que danés, que aseguraba que as consecuencias, que agora consideramos negativas dende un punto de vista ecolóxico, da presencia do home na terra, non son máis que o froito da evolución lóxica do planeta, que pasará da entropía á orde coa extinción da especie humana. Un de-construír para acadar un mundo novo. Fronte a isto, aseveración que me parece moi discutible, quédanos só o ánimo de espírito para o traballo de 'aleccionamento' dunha sociedade corrompida por si mesma e inmersa nun corrente autodestructiva á que moitos, xa, nos resistimos.
que poderemos nós dizer... muito obrigado Alberto Moman... e ficaremos atentos à sua nova morada.


peço apenas 2 minutos do vosso tempo

3 comments

A Fátima escreveu este post no Bordado de Murmúrios. Eu só visitei um país da África negra mas foi o suficiente para ter um contacto próximo com a realidade que a Fátima descreve. A cada local que vamos, há sempre um grupo enorme de crianças carregando aos ombros qualquer tipo de tralha para vender aos turistas. Muitas vezes é o seu único sustento... não há escola, não há pais que os sustentem (dizimados pelas guerras ou pela SIDA), não há quem lhes mate a fome...
Como diz a Fátima, não se pede caridadezinha, pede-se uma visita a este site, uma tomada de consciência e uma decisão... e é tão simples decidir!


CARTA A OFÉLIA QUEIRÓS

4 comments

Bebezinho do Nininho-ninho:

Oh!
Venho só quevê pâ dizê ó Bebezinho que gotei muito da catinha dela. Oh!
E também tive munta pena de não tá ó pé do Bebé pâ le dá jinhos.
Oh! O Nininho é pequenininho!
Hoje o Nininho não vai a Belém porque, como não sabia se havia carros, combinei tá aqui às seis ho'as.
Amanhã, a não sê qu'o Nininho não possa é que sai daqui pelas cinco e meia. (desenho de uma meia) (isto é a meia das cinco e meia).
Amanhã o Bebé espera pelo Nininho, sim? Em Belém, sim? Sim?
Jinhos, jinhos e mais jinhos.

Fernando.


Um mini para o João

3 comments

Image hosted by Photobucket.com
Tedeschi

Quando o cheiro das alfazemas do campo levantava, tudo em mim alegrava-se.
Eu já sabia que aquele cheiro traria consigo a sombra de um par de asas gigantescas riscando o céu e anunciando as delícias da manhã, afinal todos os anos voltava glorioso em seus matizes brilhantes e aveludados.
O vento crispava-se todo de prazer por tê-lo nas alturas, veloz, rasgando o éter; as flores ouriçavam-se em néctar para receber a visita que lhes renovaria a vida tornando-as prenhes de cores.
Vaidosamente, ele sobrevoava as colinas e por fim pousava no meu telhado, confirmando sua escolha, renovando os laços que se estreitavam a cada ano...
Antes de conhecer a brisa e o abrigo de suas asas, as alfazemas pareciam-me inodoras, pequeninas em sua discrição. Mas eis que com sua chegada, pôs em minhas mãos a esperança com sabor de baunilha e engendrou em mim o desejo de vida, de uma vida menos ordinária.



"Sleeping Woman" »» Pablo PICASSO


Poemário #008

0 comments

Onde pousar a cabeça?

Um céu
um céu porque a terra já não existe
sem uma asa, sem penugem, sem plumagem de pássaro, sem condensação

estritamente, unicamente céu
um céu porque a terra já não existe

Depois da explosão de grisu na cabeça, o horror, o desespero,
depois de já não haver mais nada, tudo devastado, metido a pique, sem saída

um céu glacialmente céu

Presentemente obstruído, bloqueado, atravancado de destroços;
céu por causa da enxaqueca da terra
desprovida de céu

um céu porque já não há sítio nenhum onde pousar a cabeça

Atravessado, encolhido, amolgado, roído, desfeito intermitente, irrespirável no meio das explosões e dos fumos
que não serve para nada

um céu doravante irrecuperável

Henri Michaux
In “Antologia”, Relógio D’Água
Trad. Margarida Vale de Gato


Link da semana

2 comments

Esta semana vai para o Um Minuto.




Da Blogosfera

1 comments

The Healing Sound of Music foi adicionado ao linkódromo do Povo. Tenho a dizer que é o melhor blogue sobre música que conheço da blogosfera. Vale realmente a pena.


o tal poema

4 comments

Quando Ismalia enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...

E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar...

Alphonsus de Guimaraens
"Ismália", in Os cem melhores poemas brasileiros do século. Editora Objetiva.


ao POVO que faz o BOM TIPO

10 comments

"Underground" »» Emir KUSTURICA

Aos meus amigos Poveiros:

Há mais de um ano que estamos juntos nesta aventura. Começamos quatro, depois do concerto da Maria Rita… lembram-se? Aquele jantar divertidíssimo onde nos propusemos entre outras coisas a criar um blogue. Uns dias passados e não surgia um nome… ninguém arriscava nada para baptizar a porra, até que o Pedro apareceu de “Livro do Desassossego” na mão e lá se abriu a página no famigerado “O Povo é Bom Tipo”. (para quem não sabia de onde vem o nome fica agora a saber). Acordamos os quatro postar consoante nos apetecesse e de acordo com a disponibilidade de cada um, sem pressões de tempo, assunto ou outras quaisquer. O Povo lá foi crescendo devagarinho. A meio ano de existência a coisa já andava a meio gás e era pouca a disponibilidade e/ou vontade de postar. Acordamos injectar sangue novo no blogue. Convidamos mais pessoas amigas para partilharem este espaço connosco. O blogue voltou a acordar e novamente a adormecer. A Filipa e a Cecília tiveram mesmo de sair por completa falta de tempo e disponibilidade… razões que todos percebemos. Até esse dia o blogue foi sempre construído por pessoas que se conheciam e eram (ainda são) grandes amigos. Por me sentir um pouco sozinho nestas lides, falei com os restantes membros e perguntei-lhes se haveria algum problema em convidar pessoas que conhecíamos da blogosfera para integrarem os quadros da casa. Ninguém se opôs e os convites foram feitos. Entraram três novos membros, dos quais dois ainda permanecem (a Luciana e a Sónia). Devem perguntar-se, mas que quer ele com toda esta lenga-lenga? Pois bem, passo a explicar:
Nas últimas semanas tenho-me sentido um pouco só nesta casa, valendo-me a companhia da Luciana que insiste em não me deixar sozinho. Daí a minha lista de apelos nos últimos dias. Reflecti um pouco sobre o assunto e achei que um blogue colectivo só faz sentido se for mantido um carácter plural, caso contrário optar-se-ia por blogues individuais. Pensei mesmo deixar o Povo, ou, caso fosse essa a vontade dos outros membros, determinar-lhe um fim. Em conversa de café com algumas das pessoas que fazem parte do blogue foi-me dito que nunca pensaram terminá-lo e que não tinham sequer vontade de o fazer, e que se por algum motivo o blogue ficasse meses sem novos posts não haveria mal nenhum nisso. Para eles continuava a ser um ponto de encontro de amigos, mesmo que não tomássemos café em conjunto todos os dias. Ao escutá-los deu-se-me um click na cabeça!
Senti que durante todo este tempo tinha sido eu a desvirtuar o espírito deste blogue, carregando-o de assuntos sérios e aborrecidos (que muitas vezes só a mim diziam alguma coisa), afastando-os com temas que os deixavam pouco à vontade e que não lhes despertavam interesse algum (coisa que não acontece nos nossos cafés onde a identificação de uns com outros enquanto seres humanos que se gostam nunca foi um problema – a amizade é isso mesmo, gostar e respeitar os outros mesmo que os seus gostos e interesses sejam diferentes). Este blogue foi na sua concepção e deveria continuar a sê-lo um blogue que une pessoas amigas e que se gostam, uma casa onde todos se sentem tão à vontade para falar de coisas sérias como para discutir as coisas mais triviais do mundo… uma casa para rir, uma casa para a paródia, uma casa para a diversão e para a partilha. Talvez seja um blogue que interesse apenas a nós próprios e a mais ninguém, uma casa que conta a nossa história e a amizade que partilhamos, mas que não está fechada e tem sempre espaço para mais alguém (a prova está na Luciana e na Sónia, que não conhecíamos e que agora fazem parte da família, mesmo que virtualmente, e nas pessoas que nos visitam há imenso tempo como a Rosa, a Fátima, o Luís, o Fernando Vilarinho, o Carlos, etc, etc, etc…tão familiares que já quase os conhecemos). Este é o espírito do Povo e sempre foi… talvez eu me tenha esquecido dele durante algum tempo. Assim quero dizer-vos que continuo nesta casa, com vontade, como estive até hoje e não faço intenções de a deixar tão cedo, mas vou estar nela de outra forma… mais solto e divertido, mais despreocupado com o que se posta (se bem que vão continuar a levar com poemas de vez em quando ehehehe!) vou ver se consigo imitar a Rosa e transformar isto numa espécie de Gado Bravo! Para continuar as minhas chatices, aquelas coisas aborrecidas que vos obrigo a mastigar há um ano e pico, vou criar um novo canto em conjunto com outra chata como eu que vocês conhecem bem… a nossa querida Lu. A gente vai dando notícias, não se preocupem (acho que posso falar pelos dois)!.... Quando vier cá vai ser para me divertir… as literaturas e etc. deixo-as lá no outro canto. Preparem-se!!!

Ps. Não vão deixar de nos visitar na nova casa chata??? Pois não???


A brisa soprava levemente

2 comments

A brisa soprava levemente, Nicole sentada num banco de jardim, sentia o cheiro a relva acabada de cortar. Tinha o seu bebé no colo, e o olhar preso no vazio. Mergulhada no oceano da sua alma, ouvia a sua música interior, a sua alma vibrava notas profundas e intensas. O mundo à volta girava a uma velocidade estonteante. Nicole parecia parada no tempo. O seu bebé chorava, mas ela não ouvia. O olhar preso no horizonte de sonhos perdidos.
A sua vida tinha parado há já algum tempo, limitava-se a observar o correr do mundo. Nunca conseguiu aceitar o que lhe aconteceu. Deixou de existir, naquela tarde de domingo, onde sem nenhum aviso prévio tudo aconteceu.
Não quis acreditar.

O seu bebé chora. Nicole aconchega-o, protege-o da leve brisa. Olha-o e vê como cresceu, embala-o. Ele sorri-lhe de olhar muito vivo.
Era este o sonho de Nicole. Ter uma vida a crescer no seu ventre. E este sonho tornou-se realidade. Teve o seu bebé no ventre e já aí conversava horas com ele. Tinha uma vida dentro de si, tudo era maravilhoso. Carregou-o no ventre durante nove meses, até que chegou o dia de o ter nos braços. Nem queria acreditar, era tão pequenino o seu bebé, tão bonito. Era uma verdadeira maravilha tê-lo aconchegado no colo, dar-lhe banho, dar-lhe de mamar.
Até que sem nenhum aviso, naquela tarde de domingo, dois meses depois de ter nascido, o bebé fica doente e desfalece em poucas horas no colo dos pais.
Nicole não quis acreditar, não quis aceitar, e ainda hoje passeia o seu bebé pelo jardim, ainda hoje o ouve chorar, ainda o embala, ainda lhe fala, ainda lhe canta…


Post à "O Boato"

1 comments

Anda meio mundo a subestimar outro meio. Qualquer dia está-se mesmo a ver... Permanecer ignorante é coisa que me irrita, por antecipação nem falemos!
("O Boato" é um blogue bastante interessante, podem lê-lo aqui.)



Image hosted by Photobucket.com

Imagem retirada de Le Fumoir Café

Aqui estou eu, sentado numa praça, tomando um café e fingindo serenidade, mas minhas mãos estão trêmulas e geladas. Ondas de calor e lufadas de ar frio revezam-se em mim como se quisessem espantar todas as indagações que pululam na minha mente.
"Como surgirá? O que estará vestindo? Serão ainda seus cabelos bichos ferozes a seduzir?"
Combinamos não nos descrevermos ou nos identificarmos. Somente trocamos número de telefone caso não sejamos mais capazes de nos reconhecermos, afinal a última vez que a vi foi há 30 anos, mas uma beleza como a dela, o tempo não apaga.
Lembro-me como era bela. Não falo dessa beleza plastificada, das passarelas, com prazo de validade, perecível.
Há mulheres que causam dor e cegueira, são tão escancaradamente belas que chegam a agredir os comuns, parecem gritar ao mundo, em sons estridentes, seus desenhos e contornos. Hannah era bela de outra forma.
Sua beleza não desfilava por aí, nem se revelava a toda hora. Para vê-la era preciso um olhar atento, quase arqueológico. Por baixo daquele invólucro agradável havia uma outra camada a escandir.
Descobri sua beleza ao longo de três breves anos.
Era cinicamente bela quando estávamos rodeados de pessoas, mas era impossível um comentário, então ela arqueava a sobrancelha direita, ensaiava um sorriso que não se completava e tudo estava dito.
Como era linda quando se arrumava toda para uma ocasião especial! E a maneira como sentava-se? E quando folheava as páginas de um livro? Existia algo etéreo quando conversava; se o tema era de seu interesse então, seus olhos faiscavam, abria um sorriso largo, gesticulava muito, assumia uma postura avantajada.
Mas ela era bonita mesmo quando durante uma única semana em todo o mês inventava que precisava fazer exercícios físicos. Acordava cedo e ia correr. Voltava atrasada e faminta. Tomava um banho rápido, mas tinha tempo para sentar-se à mesa, servir-se de capuccino e devorar um pão inteiro com requeijão e mortadela! Depois vestia seus jeans e saía apressada e feliz, acreditando-se mais magra.
Aos domingos, costumava ela mesma fazer a faxina da casa. Algumas vezes cheguei intencionalmente sem aviso e flagrei-a descalça, de shorts, camiseta velha e num coque pra lá de desalinhado preso por um lápis. Ela olhava-me fingindo desaprovação, balançava a cabeça negativamente e dizia toda mandona: “Veio atrapalhar ou ajudar? Se veio atrapalhar, se manda, mas se ficar com a segunda alternativa, na cozinha tem balde e vassoura te esperando”. Virava-se de uma só vez e quando eu voltava da cozinha, completamente munido, ela piscava o olho e gargalhava.
Ainda hoje escuto aquele som, a música...
Olhei para o relógio, meia hora se passara e ninguém se aproximou. Pensei em telefonar, mas desisti. Olhei para os lados, reparei nas mesas e não vi ninguém que pudesse se parecer com ela.
Pedi outro café, começou a chover e resolvi entrar e sentar no balcão. Ao lado, mas sentada de costas para mim, uma mulher de cabelos muito curtos – “não era ela, não com esses cabelos” – parecia tentar convencer a garçonete a trazer-lhe algo fora do cardápio. Para me distrair da longa espera, comecei a prestar atenção na conversa de ambas. A moça não brigava, não havia bate-boca, como uma criança que quer ser atendida, ela dizia com olhos pidões: “não quero croissant de ervas finas, para mim, o único acompanhamento que vai bem com capuccino é pão com mortadela!”
- Pão com mortadela?!?
A estranha virou-se, sorriu cinicamente e arqueou a sobrancelha direita.
Tudo estava dito.


Apelo (6)

4 comments

Luciana, ajuda-me...


Apelo (5)

0 comments

Alex, tenho saudades dos teus textos...


Apelo (4)

0 comments

Ana, tenho saudades dos teus textos...


Apelo (3)

2 comments

Pedro, tenho saudades dos teus textos...


Apelo (2)

8 comments

Cláudia, tenho saudades dos teus textos...


Apelo (1)

0 comments

Sónia, tenho saudades dos teus textos...


Da Blogosfera

2 comments

Odesproposito foi adicionado ao linkódromo do Povo.


Presente para o Insónia

5 comments

"La Trilogie du Sacrée Sauvage" »» RANCINAN
A propósito deste post no Insónia lembrei-me do retrato do Cardeal "Patarata" de Lisboa para a trilogia (a morder o bizarro) do fotógrafo francês Rancinan. Quando revejo este olhar não sei o que pensar... das duas uma, ou fujo de medo, ou viajo até à promiscuidade do Vaticano no papado de Leão X (acreditando que a esse nível depois de Trento a coisa melhorou um bocadinho) ... talvez me fique pela segunda, não sei, sempre estimula a imaginação!
Fica a foto de presente para o Rui, o Henrique e a Maria João... esses insones!


apontamento #006

9 comments

Três dias para que o corpo se habituasse ao peso do sol. As costas curvadas e os braços como pêndulos soltos, roçando o chão em compassos apertados. Trazia os olhos secos como no dia em que nasceu, mas não se importava. Nunca o arrependimento teve coragem suficiente para detê-lo do que quer que fosse. Caminhava curvado, arrastando-se sobre a terra, mas caminhando. Curvado. A tesoura ainda no bolso… no coração, a imensidão do céu sobre o planalto, e no pensamento, o sonho cada vez mais próximo de rasgar definitivamente o horizonte.


o De Génese acordou...

0 comments


sublinhado #006

10 comments

"Os mais poderosos incidentes de beleza são os que sentimos como descobertas pessoais, os que parecem destinar-se especificamente a nós, como se uma inteligência imensa nos tivesse escolhido e quisesse mostrar-nos qualquer coisa." (pag.266)
Dias Exemplares, Michael Cunningham


Poemário

6 comments

De forma a reunir os textos da série Poemário, O Povo criou uma nova secção onde vão sendo acrescentados todos os poemas publicados no blogue. Nos links do lado direito, separador "Séries", "Poemário".


O Povo é Bom Tipo #024

0 comments

"The ballad of a grey city night, ex.1" »» v. LEAL BARROS



"Fiquei contente de te referires ao Siza, sabes que eu gosto muito das obras dele, daquela magia e despojamento - sempre achei que a pala do pavilhão de Portugal é como o amor: aparentemente frágil mas forte e duradoura!"
Fátima Rosado


Da Blogosfera

2 comments

Parabéns ao Eduardo Pitta, ao João Paulo Sousa, ao Valter Hugo Mãe e ao Jorge Melícias pelo primeiro aniversário do Da Literatura.


Poemário #007

7 comments

ouve-me
que o dia te seja limpo e
a cada esquina de luz possas recolher
alimento suficiente para a tua morte

vai até onde ninguém te possa falar
ou reconhecer - vai por esse campo
de crateras extintas - vai por essa porta
de água tão vasta quanto a noite

deixa a árvore das cassiopeias cobrir-se
e as loucas aveias que o ácido enferrujou
erguerem-se na vertigem do voo – deixa
que o outono traga os pássaros e as abelhas
para pernoitarem na doçura
do teu breve coração - ouve-me

que o dia te seja limpo
e para lá da pele constrói o arco de sal
a morada eterna - o mar por onde fugirá
o etéreo visitante desta noite

não esqueças o navio carregado de lumes
de desejos em poeira - não esqueças o ouro
o marfim - os sessenta comprimidos letais
ao pequeno almoço

Al Berto
In “Horto de Incêndio”, Assírio & Alvim


Link da semana

0 comments


O Blog

  • O POVO É BOM TIPO PRETENDE SER UM LOCAL DE PARTILHA ONDE LIVREMENTE SE TROCAM GOSTOS, AFINIDADES E INSTANTES DE VIDA. NÃO MAIS DO QUE ISSO.

A População

Séries

Últimos Posts

Livro de Ponto

Arquivo

Periferia

Outras Cidades

Cidades Desabitadas

Outros Povos

Manutenção

  • + Blogger
  • + BlogRating
  • + Blogwise
  • + eXTReMe Tracker
  • + A Música do Povo
  • + Os Links do Povo
  • + Protegido por CreativeCommons