Pelas mãos da circunstância


Enviar este post



Relembrar (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



"Portrait of woman" »» Pablo PICASSO
O meu marido deixou-me, trocou-me há doze anos por uma solteirona de peito avantajado. Os meus filhos emigraram, partiram à procura de uma vida melhor. Vivo sozinha, com a minha máquina de costura. Companheira de longos anos, nunca me enganou. Por isso é com ela que faço amor, um amor de linhas e cores por onde me perco e agonizo. E é engraçado como me sinto um pedaço de tecido mutilado pela vida, como sangro a cada fio de linha que me penetra à força, como não passo de uma história bordada pelas mãos da circunstância.
O meu bisavô era rico, mas o meu avô quis casar com a minha avó e ele deserdou-o. Tenho primos juízes mas sou filha de carvoeiros. Sou pobre, mas muito limpa. Não ouço bem, tenho aparelho. Vivo com medo que caia. Vivo sempre com medo. Medo, medo, medo… À noite choro. É como rezar. As dores escorregam pelo rosto cansado até se perderem por entre os poros gastos das minhas rugas, até se perderem… Daqui a dez anos faço setenta anos, daqui a dez anos já posso morrer. Morro sem conhecer a felicidade como a minha mãe. Como a minha mãe que era carvoeira mas muito limpa. Às vezes jogo na lotaria, mas a sorte nunca sai. E eu espero, espero e torno a esperar até já não saber bem pelo quê. Até já não saber se a minha máquina de costura me sorri ou me suborna.
O meu marido deixou-me, trocou-me por uma solteirona de peito avantajado. Os meus filhos emigraram, vivo com uma máquina de costura, a quem pago o aluguer da casa e da vida. Na realidade sou sua escrava, dependo do óleo dos seus pedais, da força das minhas pernas que me fazem andar, andar, andar… Dependo das mãos da circunstância e é engraçado como me sinto um pedaço de tecido mutilado pela vida, como sangro a cada fio de linha que me penetra à força. E é engraçado como sofro em silêncio, como ninguém vê ou pressente a dor de ser existida. É engraçado.
Ah ahah ahahah ah ahah ahahah ahah. Ah ahah ahahah ah ahah ahahah ahah ah ahahah.
Agripina Roxo
ps. obrigado Agripina pela partilha.


3 Respostas a “Pelas mãos da circunstância”

  1. Anonymous C.S.A. 

    Já tinha ido espreitar e achara piada ao texto.
    Uma boa partilha.

  2. Anonymous Lu 

    Agripina, gostei muitíssimo do texto, forte e de uma ironia corrosiva... ui, doeu.
    Beijos

  3. Anonymous Agripina Roxo 

    :) Obrigada

Comentar

      Convert to boldConvert to italicConvert to link

 


O Blog

  • O POVO É BOM TIPO PRETENDE SER UM LOCAL DE PARTILHA ONDE LIVREMENTE SE TROCAM GOSTOS, AFINIDADES E INSTANTES DE VIDA. NÃO MAIS DO QUE ISSO.

A População

Séries

Últimos Posts

Livro de Ponto

Arquivo

Periferia

Outras Cidades

Cidades Desabitadas

Outros Povos

Manutenção

  • + Blogger
  • + BlogRating
  • + Blogwise
  • + eXTReMe Tracker
  • + A Música do Povo
  • + Os Links do Povo
  • + Protegido por CreativeCommons