Comunicado #018

0 comments

O Povo é Bom Tipo tem recebido alguns e-mails de leitores dizendo que não conseguem comentar o blogue. Se por acaso verifica a mesma dificuldade pedimos encarecidamente que envie um e-mail para o endereço opovoebomtipo@netcabo.pt comunicando o facto. O sistema de comentários ficará em teste durante os próximos 5 dias. Caso o número de reclamações justifique, alteraremos o servidor de comentários do blogue.
Obrigado pela atenção.


Providência + Abreu

0 comments

Lavadouro/Balneário do Infante »»» J. Paulo PROVIDÊNCIA + Rosário ABREU

(clique na imagem para ver com maior detalhe)

Já há algum tempo que ando com vontade de escrever aqui sobre este edifício. Da arquitectura portuguesa construída nos últimos 15 anos, talvez seja uma das obras que mais admiro. Sempre que o cruzo por acaso, a identificação é tanta que me obriga a entrar e a descortinar novas impressões, algumas linhas não tão marcadas que por distracção perdi em visitas anteriores.
Quem vem da Ribeira em direcção à Alfândega quase nem o sente, não se apercebe da caverna inteligente escavada debaixo do granito – um muro, uma porta e um banco são suficientes para que a arquitectura aconteça, calada e serena como toda a arquitectura deveria ser.
Entrando, descemos de sala para sala através de galerias oblíquas conduzidos pela luz que nos chama a cada ângulo, a cada dobra do caminho. Por vezes sentimos o frio e o ressoado do betão, mas também isso faz parte da experiência, há uma espécie de metáfora nas paredes cinzentas e robustas, uma poesia qualquer que nos obriga a procurar conforto na luz. Ao fundo uma porta, os tanques estendidos perpendicularmente num laminado de xisto e um corte no tecto a trazer o dia, para que as mulheres (e os homens) possam de novo cantar enquanto roçam a roupa na pedra, como antigamente, como já não se faz.
O lavadouro/balneário do Paulo Providência e da Rosário Abreu vive pela forma silenciosa como agarra a envolvente e a transporta para o interior da terra, arrastando a luz e a cidade consigo. É cinzento como o Porto e vive afirmativamente dessa melancolia. Há quem o considere bruto, eu considero-o calado e tranquilo, repito, como toda a arquitectura deveria ser.

v. LEAL BARROS


Eclipse Solar

0 comments

No próximo dia 3 de Outubro (segunda-feira) haverá um grande eclipse solar, que será o maior dos últimos 100 anos em território português. As condições de observação serão especialmente interessantes na região norte do país, que será atravessada pela faixa de anularidade, mas o fenómeno será visível em todo o país. Só voltará a haver um eclipse anular em Portugal no ano 2028.

Em Lisboa e no Porto a hora de Eclipse Máximo será às 9h 53 min. com 81,9% e 89,7% de obscuridade respectivamente.

Mais informações AQUI.


O Povo É Bom Tipo #020

0 comments

"Dirty Coffeebreak" »»» v. LEAL BARROS


0 comments

Lá vai se vai Herodes, rodopiando ao bel prazer do torvelinho da água.
Enquanto aperta a descarga, ela deixa transparecer um riso esgarçado.

- O amor tem farpas. Então, aparemos as arestas!

***

Uma vez, ele lhe falou sobre aquele peixe tão bonito, de colorido incomparável, de escamas luminosas. Falou de seus hábitos, de como sua beleza era um mero pretexto, uma armadilha para fisgar admiradores desligados.

- Ao atrair a presa, o peixe executa um bailado hipnótico.

- Isso é horripilante. Tal como uma Salomé reencarnada, ao final da dança, ele exige uma cabeça na bandeja de prata.


***

Dias mais tarde, ele entrou em casa com aquele aquário odioso. Disse que tinha comprado para ela. Logo para ela que sempre detestou a idéia de ter peixes como bicho de estimação. Logo ela que não dispensa afagos.
Recebeu ‘aquilo’ sem muita emoção e foi tratando de arrumar um lugar num móvel da sala.
Sempre que passava em sua casa, questionava-a sobre os cuidados, se estava alimentando o peixe direito, se não esquecia de purificar a água e outras tantas coisas.

Até que um dia ele trouxe um saquinho nas mãos. Tinha as sobrancelhas arqueadas:

- Comidinha para o peixe. Hoje vamos poder ver a tal ‘dança da morte’. Lembra que eu te contei?

Não podia estar falando sério. Ela não queria ver nada. Muito menos um ritual de execução, ainda que isso fizesse parte da cadeia alimentar, do ciclo natural da sobrevivência animal, da ciência!
Ela fez tudo que pode para que ele esquecesse do fato: serviu o jantar, sobremesa, tomaram um café, licor, colocou um filme no vídeo cassete.

Terminado o filme, ela imaginou que pelo adiantado da hora, ele iria embora, mas não, levantou eufórico e foi pegar o saco. Abriu com cuidado e despejou o conteúdo dentro do aquário.

- Não quero ver isso.

Puxou-a pelo braço e apertou-lhe as carnes fortemente. Fez com que ela assistisse toda a corte, o balé, a sedução. Quando a dança acabou, o peixinho estava como que hipnotizado, não se mexia, apenas contemplava o novo ‘amigo’ estupefato.
E num último movimento, lento, compassado, Herodes abocanhou-o pelo rabo e quando chegou perto da cabeça, mordeu, dispensando a iguaria.

- Viu? Você percebeu? Nem por um minuto, Herodes brigou ou usou de violência. Ao contrário, enfeitiçou a presa de forma amigável até que ela ficasse entregue ao seu charme.

Atônita, ela simplesmente balançou a cabeça de modo afirmativo.

Excitado, ele foi se aproximando, agarrou-a pelos cabelos e trouxe seu rosto para bem perto de sua boca:

- Vou devorar você.

Apesar do medo, ela o encarou olhando bem dentro dos olhos:

- Devore, mas seja inteligente. Não despreze minha cabeça.

Afrouxou a mão dos seus cabelos, percebendo que mesmo acuada, era ela quem liderava a dança.
Luciana MELO


De Catedral a Catedral

0 comments

De Catedral a Catedral há um céu suspenso, um papel de lustro gigante que embrulha a terra e nos convida a oferecê-la de presente a alguém muito especial.
E a terra existe serena por baixo do papel mágico, dourada e suave, sem exuberância como o amor, tranquila e a chamar-nos para um mundo sem palavras, sem risos ou choros, um mundo onde o silêncio e o olhar bastam para saber que tudo ainda é verdade.
E as mãos vão deixando de sentir o volante enquanto o carro flutua livre como uma bola de pimball e se mistura com as cortinas de água que descem daquelas nuvens sem apoio, onde não há montanha nem árvore que as segure ou cole à paisagem.
De Catedral a Catedral há silêncio e olhares a afirmarem que tudo é verdade... e há o céu... e há o céu...
v. LEAL BARROS


Roger Waters estreia ópera

0 comments

Depois de 16 anos de labor e algumas interrupções, a ópera "Ça ira", escrita por Roger Waters, está finalmente concluída. O disco é hoje lançado no mercado internacional.


Leia mais aqui.


fonte: Jornal de Notícias


VOLTA A PORTUGAL DOS LIVROS

0 comments

Volta a Portugal dos Livros facilita acesso à literatura

«Um livro em armazém é um livro que não existe. Partindo deste pressuposto, um grupo de editores lançou-se numa iniciativa ambiciosa a que chamou "Volta a Portugal dos Livros", uma espécie de loja itinerante que percorrerá o país disponibilizando obras que, normalmente, não se encontram nas livrarias a preços acessíveis.»

Leia mais aqui

fonte: Jornal de Notícias


Da Blogosfera

0 comments

O Francisco José Viegas voltou com novo blogue, A Origem das Espécies. A estrutura não parece muito diferente do Aviz.
v. LEAL BARROS


COMUNICADO #017

0 comments

O Povo É Bom Tipo pede desculpas pelo longo intervalo mas acrescenta que não foi em vão. Voltamos mais frescos e regenerados e com algumas novidades, a começar pelo visual de Outono que já devem ter notado no layout da página.
O intervalo serviu também para fazer um balanço do que tem sido a linha de publicação e o modo de funcionamento interno do blogue. No que respeita ao conteúdo, tínhamos a sensação de que os temas e os assuntos publicados estavam a cair numa espécie de rotina, repetindo-se sem trazer algo de novo, o que a nosso ver, tornava o blogue pouco ritmado e um tudo ou nada aborrecido para quem o lia. Talvez essa falta de energia tivesse origem na frequência (ou falta dela) de publicação de cada um dos membros; o que no inicio correspondia a uma conversa entre sete pessoas foi-se apagando pela ausência de alguns membros, tornando-se muitas vezes num diálogo entre duas ou três pessoas ou até mesmo num monólogo.
Por falta de disponibilidade para uma publicação mais activa, a Maceda Pereira e a Cecil resolveram interromper a participação como membros permanentes do Povo, estando sempre aberta a possibilidade de voltarem a publicar como convidadas de honra da casa. A restante formação mantém-se, sem promessas de assiduidade diária mas entusiasmada para seguir viagem.
Com a saída das duas meninas, os restantes elementos resolveram convidar quatro novos membros a participarem n’O Povo É Bom Tipo, dos quais três aceitaram e um, neste caso uma, ainda não deu uma resposta. Assim, a partir de hoje contaremos com a presença da Luciana MELO (a nossa brasuquinha do Glossolálias), do José Alexandre RAMOS (que devem conhecer dos blogues Madrigal e Que farei quando tudo arde?) e da Sónia VIEIRA.
Resta-nos dar as BOAS VINDAS aos novos membros e desejar que o Povo cresça em qualidade e diversidade, sempre como uma comunidade de pessoas livres, que encontram neste espaço um meio para partilhar as suas preocupações, os seus gostos e afinidades.
BEM-VINDOS!


COMUNICADO #016

0 comments

...PIIIIIIIIIIIIIIIIIII...

O Povo É Bom Tipo comunica que em breve retomará a emissão.

Pedimos desculpa pelo incómodo.


...PIIIIIIIIIIIIIIIIIII...


O Blog

  • O POVO É BOM TIPO PRETENDE SER UM LOCAL DE PARTILHA ONDE LIVREMENTE SE TROCAM GOSTOS, AFINIDADES E INSTANTES DE VIDA. NÃO MAIS DO QUE ISSO.

A População

Séries

Últimos Posts

Livro de Ponto

Arquivo

Periferia

Outras Cidades

Cidades Desabitadas

Outros Povos

Manutenção

  • + Blogger
  • + BlogRating
  • + Blogwise
  • + eXTReMe Tracker
  • + A Música do Povo
  • + Os Links do Povo
  • + Protegido por CreativeCommons