NA CAUDA DO PIANO #001


Enviar este post



Relembrar (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...





"MARIA RITA tinha 16 anos e trabalhava numa revista para adolescentes, em São Paulo. Na época, achou num livro um personagem em dúvida entre a carreira militar e a poesia. Naquela estória, o que um coadjuvante fez para ajudar foi disparar o seguinte: "A pergunta que você tem que se fazer, na calada da noite, no momento mais solitário da sua vida, é se consegue viver sem escrever." Maria Rita, filha de dois ícones da música brasileira, Elis Regina e Cesar Camargo Mariano, resolveu encarar um teste parecido. Ela só trocou "escrever" por "cantar". Quase uma década depois, prestes a lançar seu primeiro disco pela Warner Music, a moça chega à conclusão de que foi ali que a semente da música começou a crescer dentro dela. "Acho que se me impedissem de cantar, eu pirava", confessa Maria Rita, lembrando em seguida que na escola o pessoal sabia como estava seu humor dependendo da música que ela chegava cantando. "Se eu não estivesse cantando, o negócio estava barra pesada", recorda.
Cantar mais seriamente foi algo que ela só começou a fazer mesmo aos 24 anos. Agora, com 26, não acha que foi tarde. "Você se achar no mundo é uma tarefa muito difícil", diz a jovem que se formou em comunicação social e estudos latino-americanos nos EUA, onde morou com o pai. O jornalismo entrou em pauta quando uma professora elogiou uma redação que a Maria Rita tinha feito. Com a música foi diferente. De tanto dizerem que ela precisava cantar, uma certa resistência foi criada. "Encaro a vida como um grande processo feito de vários pequenos processos no caminho", ensina. "Sempre quis cantar. Mas a questão não era querer. Era por quê. Não gosto de fazer nada sem ter um porquê. Fica mais fácil quando você tem um objetivo, uma meta. O motivo passou a existir quando percebi que ficaria louca se não cantasse", reafirma.
Diziam a ela: "Você tem que cantar!" E a jovem: "Por quê?" Maria Rita lembra que, numa festa, cantou e em certas pessoas isso até provocou choro. "Puts, que povo mala... Eu não sou a minha mãe, mas que saco! Cheguei a ter uma reação drástica com uma pessoa que chorou. Disse assim: 'Escuta, ela não volta mais.' Virei as costas e saí", lembra, certa de que agora sabe lidar melhor com situações deste tipo. "Se eu me lançasse aos 16 anos, teria pirado; não estaria aqui agora, não", emenda.
O aprendizado basicamente se deu todo assim, de maneira instintiva e informal. Uma conversa com o pai, quando era mais jovem, ilustra bem isso. Maria Rita pediu que Camargo Mariano a ensinasse a tocar piano. Diante de uma negativa, encolheu-se: "Ok, você não tem tempo, não é?" O pai, que com certeza é uma das grandes referências musicais dela, discordou; disse que tempo, se fosse o caso, ele arrumaria. O problema é que ele aprendera sozinho... "O que ele toca ele não aprendeu com ninguém, então ele não tem o que me passar", entende agora Maria Rita, que seguiu trilha parecida. Soltava a voz e pronto. Passou a fazer aulas de canto, mais tarde, para "saber usar o instrumento". Ela até gostaria de ter uma bagagem mais formal, mas por outro lado mostra-se satisfeita com os caminhos que escolheu guiada pelo instinto e pelo coração.
Esse instinto fez com que ela aproveitasse o universo musical em que se encontrava mergulhada para ir além do pop óbvio que cantarolava na adolescência. Ouviu jazz, música instrumental, rap (este, principalmente nos EUA)... Por falar em rap, quase não resistiu à tentação de colocar um DJ fazendo scratch (aquele efeito que parece o de um disco sendo arranhado) em seu disco de estréia. Quem sabe um dia... Maria Rita deixa a possibilidade no ar. Parece não ter pressa.
Pressa, aliás, é uma coisa que ela tenta evitar desde quando tinha 22 anos. Estava prestes a se formar, nos States, e passou por um susto. Fazia duas faculdades e tinha três empregos. Lembra ela: "Caí num hospital... Coração acelerado, não conseguia respirar. Achei que fosse morrer. Eu devia ter guardado aquela receita... A prescrição era: oito horas de sono por noite. O médico queria me dar calmante, remédio para dormir. Mas eu não quis. Imagina, me viciar nessas coisas aos 22 anos!" Maria Rita sabe que o mundo da música, muitas vezes, é um mundo de correria. Sabe que vai correr riscos. Mas tem certeza de uma coisa: vai conseguir manter-se bem. Quem a ouve falar sente tanta determinação em sua voz que não tem outra opção: acredita."

Texto e Imagem retirados do site oficial de Maria Rita »»» www.maria-rita.com


0 Respostas a “NA CAUDA DO PIANO #001”

Comentar

      Convert to boldConvert to italicConvert to link

 


O Blog

  • O POVO É BOM TIPO PRETENDE SER UM LOCAL DE PARTILHA ONDE LIVREMENTE SE TROCAM GOSTOS, AFINIDADES E INSTANTES DE VIDA. NÃO MAIS DO QUE ISSO.

A População

Séries

Últimos Posts

Livro de Ponto

Arquivo

Periferia

Outras Cidades

Cidades Desabitadas

Outros Povos

Manutenção

  • + Blogger
  • + BlogRating
  • + Blogwise
  • + eXTReMe Tracker
  • + A Música do Povo
  • + Os Links do Povo
  • + Protegido por CreativeCommons